31 de maio de 2010

"Chantagistas sociais" em ação

A liberdade de expressão e de informação é a grande inimiga desses "chantagistas sociais":
Centrais sindicais e movimentos sociais pretendem, com dois vultosos eventos no início desta semana, aprovar reivindicações para cobrar respostas dos presidenciáveis. Sem um alvo preferencial entre os que postulam o Palácio do Planalto, elegeram como inimigo “o principal partido de direita” no País – “os conglomerados privados de mídia” (SIC).
Amanhã, a Coordenação dos Movimentos Sociais (SIC), composta por CUT, UNE, MST e mais 25 entidades, deve, além de desferir golpes contra a imprensa, ratificar um documento-base a ser apresentado a Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina
Silva (PV). Intitulado Projeto Nacional e Popular dos Movimentos Sociais, o texto elogia os “avanços” da gestão petista e classifica a crise do mensalão no governo federal como “tentativa de golpe contra Lula em 2005”. (Estadão, 31/05/2010).

2 comentários:

Andrey disse...

Quanta asneira esses movimentos sociais fazem, eles nunca cometeram erros, sempre foi terrorismo politico, invencao, agora nos outros é corrupcao real ehehehhe. Piada essa esquerda

Julek disse...

Tenho algumas observações sobre esta turma, que não vou poder desenvolver por falta de tempo esta semana (fica para uma próxima oportunidade ).

Em primeiro lugar, são discípulos fiéis de Georges Sorel, ideólogo francês que respresenta o maior segmento de 'DNA' comum entre o socialismo e fascismo, ideólogo do 'terrorismo político' citado pelo Andrey.

No centro do pensamento de Sorel, está o 'MITO'. Uma política que usa deliberadamente um MITO ( 'justiça social', 'greve geral', 'pureza racial', 'nacionalismo' ) como catalisador da ação política. Sorel era um apólogo desenvergonhado da violência política e do irracionalismo e queria mesmo é jogar gasolina e ver o circo pegar fogo.

Estas idéias fundem política com religião, pois o mito em nenhuma hipótese é jamais abordado de maneira racional, pois neste caso, seria desconstruído. Para os sorelianos, este é um desenvolvimento bem-vindo que supre uma necessidade de mitos que substituam a religião, em uma era onde a razão não oferece conforto.

Da mesma maneira, a grande maioria dos 'movimentos sociais' é uma casca, pouco importando qual é o mito adotado por cada organização. São unas quando o propósito é usar a coação e a violência para conseguir mais poder político. E ao ler artigos da esquerda sobre as virtudes da fusão entre política e religião através do culto a um mito, penso naquele pastor bondoso chamado JIM JONES. Em breve vou colocar um artigo sobre ele...

Abraços!