9 de outubro de 2010

Estão cutucando o tigre com a vara curta

Vou deixar um palpite aqui que causaria muito, muito mais pânico do que a interferência do governo da China em sua moeda, que realmente existe.

Já pensaram o que aconteceria se as relações comerciais da China com os EUA esfriarem bastante por causa de barreiras comerciais? Digamos uns 5-10 anos lá pra frente. Aí eles não vão ter qualquer incentivo para comprar ou manter sua posição em títulos americanos. Eles já tem comprado outros ativos no mundo todo nos últimos anos, com grande preferência por ativos tangíveis.

Só que eles vão ter que converter rápido 2 tri $ de títulos americanos em outros ativos, principalmente ativos reais, para não levarem um calote americano ou dos outros que vão de embalo atrás da desvalorização. Estou projetando este cenário de beggar-thy-neighbour e de conflito entre os bancos centrais e os governos para uns anos na frente.

Aí imaginem a indignação americana ao ver a américa sendo comprada pelo governo da China, e o repeteco piorado da mesma coisa que aconteceu nos anos 80 com investidores japoneses comprando grandes marcas americanas.
Imaginem que os títulos americanos hoje são em grande parte lastreados por propriedades imobiliárias. Será que quem tem grande parte destes títulos não pode querer trocar pelo colateral sob risco de desvalorização?

Imaginem que políticos americanos façam qualquer coisa que impeça o governo da China de trocar títulos americanos em queda por ativos reais americanos. Imaginem que os outros sigam o exemplo americano, e coloquem legislações como as que vemos no Brasil, que limitem a venda de ativos para estrangeiros, ou até a total proibição.

A China é uma potência militar e econômica, e tudo indica que será mais ainda uma década lá na frente. E todas as vezes na história que uma potência econômica viu seus direitos de propriedade questionados houve tensão militar e geopolítica.

Imaginem os países ao redor da China como Coréia do Sul, Japão, Austrália, sem o poder americano para protegê-los e com um vizinho agressivo ao ver suas reservas de décadas se desvalorizando, uma situação doméstica precária causada pela perda de mercados e de reservas, e um boicote mundial à compra de ativos feita pela China.

2 comentários:

José Gabriel Meurer disse...

Esse cenário catastrófico certamente poderia gerar um conflito armado como nunca antes visto, talvez até mesmo mais uma Guerra Mundial. Voltaríamos a idade da pedra.
No entanto, se esse cenário se confirmar nas próximas décadas acho muito mais provável que adotemos uma moeda unica a nível mundial. E essa moeda, poderia ser um dólar pra lá de desvalorizado emitido por uma entidade central como um novo Banco Mundial.

Quem sabe né?... :/

Julek disse...

Espero que esta projeção sombria jamais se concretize.

O comércio traz a paz, e o protecionismo e as barreiras frequentemente acabam em guerra. É melhor que haja alguma coordenação antes que entremos nesta segunda fase.

Um abraço!