16 de março de 2010

Serra defende 'estado ativo' como sua plataforma


Comento: O modelo de estado de Serra e o do PT tem muito em comum. Não é de agora que petistas vêem o PSDB como seu maior adversário justamente por esta semelhança de propostas.

O modelo defendido pelos dois partidos é atrasado, e coloca o país no rumo de ideologias abandonadas no resto do mundo lá pela década de 70. O modelo do PT é mais perigoso pois é combinado ao 'DNA autoritário' que o PT possui, enquanto o PSDB se coloca mais como herdeiro do socialismo democrático europeu. O PSDB é reformado, o PT não é.

Como se sabe lá fora, o socialismo democrático na europa aceita privatizações de áreas não fundamentais para o estado focar no que eles consideram a missão fundamental do estado: assistencialismo e rede de proteção social. E como se sustenta isso? Com um setor privado vigoroso o suficiente para ser sugado.

Infelizmente aqui no Brasil este socialismo democrático estilo 'Tony Blair' foi pintado como 'neoliberalismo', e por algum impulso do brasileiro em acreditar no estado ativo, mesmo contra todas as evidências, a desinformação se espalhou e colou no PSDB. E agora o partido busca, com Serra, disputar o eleitor do PT.

Serra é desenvolvimentista. Para ele, a função do estado extrapola a do estado social-democrata europeu. Além de assitência social, é função do 'estado ativo' meter o nariz em todos os setores da economia. O que isso significa é propositalmente mantido no escuro. Geralmente significa um grande poder de intervenção econômica à discrição do presidente da república. Tivemos uma mostra disso nas medidas do governo Lula durante o início da crise. Decretos contemplando setores especiais, cortes de impostos para setores especiais. O BNDES se inchou. Nada desconfortável na ideologia deles, onde o estado seria a 'mola propulsora', usando parte dos salários dos trabalhadores para investir naqueles investimentos que os burocratas do governo consideram essenciais.

Se o estado é ativo, subentende-se uma sociedade passiva. Como pode uma sociedade passiva controlar o 'estado ativo'? Como pode o poder não se corromper se todos os grupos que poderiam controlá-lo vão necessitar da simpatia do 'estado ativo'?

Os marqueteiros são familiares com estes anseios irracionais dos eleitores brasileiros. A campanha eleitoral vai continuar se desenrolando fazendo não propostas políticas para uma sociedade madura, mas prometendo a felicidade pintada em verde-amarelo, para uma sociedade infantilizada e com carência paterna. Se houvesse algum candidato que representasse uma proposta mais liberal, seria a hora de propor um estado subordinado à sociedade, e não o contrário.

3 comentários:

Victor Carlson disse...

O PSBD é um PT enrustido sem convicções ideológicas. O papo da chantagem social vai continuar.

Victor Carlson disse...

O PSBD é um PT enrustido sem convicções ideológicas. O papo da chantagem social vai continuar.

Andrey disse...

Bom, temos duas opçoes nesse caso... Votar no Serra, por ser um voto anti Dilma e menos letal (melhor falar em morte lenta do País nesse caso) ou votar NULO como voto protesto, ou seja, podem ganhar, mas nao com meu voto.