19 de novembro de 2009

Repressão cresce com Raúl Castro e petistas trabalham nessa direção

Apesar de o afastamento de Fidel Castro ter alimentado as esperanças de uma abertura em Cuba, a repressão política na ilha não só não arrefeceu, como há indícios de que tenha até piorado desde 2006. Segundo a ONG Human Rights Watch (HRW), que divulgou ontem o relatório “Um novo Castro, a mesma Cuba”, Raúl adotou uma nova estratégia para intensificar a repressão na ilha. (...)
Ela permite às autoridades da ilha prender qualquer pessoa com base na simples suspeita de que ela poderia ter um comportamento contrarrevolucionário. (...)
O principal instrumento seria o uso intensivo da figura da “periculosidade”, prevista no Código Penal cubano. “Essa norma, a mais orwelliana de todas as leis cubanas, capta a essência da mentalidade repressiva do governo cubano”, diz o relatório. (...)
“O indivíduo é detido de manhã, a sentença sai ao meio-dia e à tarde ele já está cumprindo pena”, disse ao Estado José Miguel Vivanco, diretor da HRW. (...)
Ele menciona o caso da blogueira Yoaní Sánchez, a mais conhecida de Cuba, que em seus textos na internet tem criticado as condições de vida na ilha. (...)
A blogueira foi obrigada a entrar em um carro, ameaçada de morte e espancada por cerca de 20 minutos antes de ser libertada em um bairro da periferia da capital. Agora, está precisando de muletas para andar.
Fonte: O Estado de São Paulo (18/11/09)

Comento: Enquanto isso no Brasil, o PT apóia um documento da Conferência Nacional de Comunicação para transformar a restringir a liberdade de expressão no Brasil, caminhando claramente para o modelo Cubano de democracia social (sic). Vejamos um trecho do documento “A definição de um marco regulatório democrático estará no centro de nossa estratégia, tratando a comunicação como área de interesse público, criando instrumentos de controle público e social(...). O PT também lutará para que as demais ações estatais nessa área promovam a pluralidade e a diversidade, o controle público e social dos meios e o fortalecimento da comunicação pública, estatal, comunitária e sem finalidade lucrativa".
Traduzindo: no interesse público deles, através do controle (eles adoram essa palavra) deles, na pluralidade desde que seja social e estatal, claro. Num mundo petista bolivariano a liberdade de expressão só existirá dentro dos ditames socialistas, ou seja, não haverá liberdade, mas órgãos estatais defendendo o interesse de determinadas castas dos trabalhadores.

Um comentário:

Andrey disse...

PT agora inventou um novo nome para suas censuras e repressões.

se trata de uma "repressão democrática"